Mais cedo, uma de minhas parceiras de negócio entrou em contato comigo pedindo uma “ajudinha rápida”. Respondi para ela que responderia em breve porque estava “equilibrando pratos”. Ela achou graça e disse que gostou da expressão.

O fato é que, como todo brasileiro, estou fazendo o meu melhor para respeitar todas as recomendações das autoridades de saúde e manter minha empresa funcionando. No ano passado, fiquei praticamente todas as semanas do ano fora de casa. Há quase três semanas, praticamente não coloco meus pés para fora de casa.

A EximiaCo ainda é uma empresa jovem. Primamos pela qualidade extrema e não, necessariamente, pela quantidade. Além disso, desde que comecei o negócio optei por uma condução baseada em austeridade responsável. Por isso, acabo me envolvendo ainda, de certa forma, com todos os processos.

As atividades do dia incluíram atender clientes, “combinar o jogo” com meu time, garantir que todas as notas fiscais do dia fossem emitidas, revisar e publicar conteúdo para os sites, falar com o gerente do banco, dar atenção a família (vantagens de estar em casa) e, principalmente, manter a sanidade com, inclusive, direito a uma seção remota de terapia.

Como todo brasileiro, estou “equilibrando pratos”. Sempre foi assim, mas, nesses dias, “pratos novos” apareceram. Se a economia e o maldito vírus estão assustando, é tempo de trabalhar mais, estudar mais e … arrumar a casa. Tudo isso, torcendo para nenhum prato cair e, se cair, que, pelo menos, não quebre.

Deixe uma resposta