Pensamento Exponencial

A Lei do Retorno Acelerado

Empresas modernas, com estilo de gestão diferente e resultados espetaculares, estão desafiando tudo o que sabemos sobre estratégia e execução. Acredito que para entender o que está ocorrendo, precisamos adotar um novo modelo de interpretação do mundo e dos negócios. Essa foi uma das minhas razões para estudar com a Singularity University.

Nessa série, vou compartilhar um pouco do que estou aprendendo. Para começar, gostaria de introduzir um conceito fundamental: a Lei do Retorno Acelerado de Kurzweil.

Para pensar…

Me permita compartilhar algumas provocações:

  • O ritmo das inovações aparenta mais rápido, principalmente depois de 2007 (quando a Apple introduziu o iPhone e popularizou o conceito de computação móvel). Não acha?
  • Temos a Uber, Airbnb, Alibaba, SpaceX, Tesla, Spotify, Waze, Instagram, Netflix, etc. Só para citar algumas empresas que estão impactando o mundo e que ficaram relevantes depois de 2007.
  • O volume de inovações que estamos vivenciando não tem precedentes. Hospedagem, transporte, entretenimento, serviços financeiros e comunicação mudaram para sempre.
  • O primeiro iPhone foi lançado em 2007. Em pouco mais de 10 anos, a Apple conseguiu superar definitivamente uma das maiores crises de sua história (a recuperação começou um pouco mais cedo).
  • A Apple ultrapassou a marca de US$ 1 trilhão em valor de mercado. A Amazon também ultrapassou essa marca.

O que está acontecendo?

Moore afirmava qua a capacidade de processamento dos computadores duplicaria a cada 18 meses (crescimento exponencial). Raymond Kurzweil percebeu que esse fenômeno não está restrito a computadores, mas também a modelos de negócio baseados em digital.

O gráfico que segue revela a essência do pensamento de Kurzweil:

Trata-se da lei do Retorno Acelerado (a mesma ideia de Moore para processadores, só que generalizada).

Technology goes beyond mere tool making; it is a process of creating ever more powerful technology using the tools from the previous round of innovation. –Ray Kurzweil

Negócios, baseados em digital, desde que tenham potencial para performar de forma equivalente às abordagens convencionais, mesmo que com um começo mais tímido, crescem de forma exponencial e, por isso, serão dominantes.

Kurzweil encontra Christensen

Tentemos agora combinar as ideias de Kurzweil e Christensen – autor de “Dilema do Inovador”.

Segundo Christensen, as empresas continuam evoluindo seus produtos tornando-os mais qualificados e, consequentemente, mais caros, até que fiquem pouco competitivos em faixas importantes do mercado. Isso ocorre até que um entrante, aproveitando a demanda reprimida de faixas com menor poder aquisitivo,  consegue formar uma proposta original relevante oferencendo um produto que evolui (de forma mais barata) até tornar sem sentido a proposta original.

Para Christensen, o ofertante tradicional não reconhece a ameaça por ela começar em uma faixa de mercado que este não atende. Quando, finalmente, a nova proposta se torna mais atrativa, não há tempo suficiente para a reação.

Imaginemos, agora, o que ocorre se o novo player for “exponencial” (padrão exposto acima). A curva prevista por Kurzweil apresenta performance inicial ainda menos atraente do que a dos competidores “inovando” de forma tradicional. Logo, empresas de crescimento exponencial (baseadas em Digital), são competidoras ainda mais agressivas do que as previstas inicialmente por Christensen. A competição encerra de forma tão súbida que as empresas “vítimas” não conseguem sequer entender o que está ocorrendo.

O que fazer?

Se a base do seu produto, empresa ou profissão está baseado em atividades que podem ser digitalizadas e/ou automatizadas, elas serão! Pode ser cruel, mas é inevitável. Prepare-se! Se percebe como digitalizar/automatizar uma atividade, no longo prazo, segundo Kurzweil, irá prosperar.

Vamos conversar sobre isso?

PS: No próximo post, falaremos como “fasear” a curva exponencial resultante da Lei do Retorno Acelerado.

Mais posts da série Pensamento Exponencial

1 comentário
  1. […] último post desta série, tratamos da “Lei do Retorno Acelerado”. Sabemos que negócios digitais […]

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *